sexta-feira, 4 de abril de 2008

QUEM TEM MEDO DE BRINCAR DE AMOR - Parte 2

Unhas. Sinto falta das minhas. Sem elas, fitas em plástico Bopp para abertura de embalagens não parecem ser assim, algo tão extraordinário. É uma conclusão. Obtida pela ponta dos dedos enquanto tento desnudar afoito uma caixa de Marlboro. Rodrigo vem até mim com seus braços marcados pelo alumínio do peitoril da janela onde estivera debruçado á procura de ar, enquanto suas mãos abraçam, uma lata de Coca-Cola.

Se pudesse dizer algo lógico e limpo com mais de cinco palavras, possivelmente eu diria: “veja as coisas por outro lado, et cetera e tal”. Isso porque eu falei em lógica e limpeza e não em primor filosófico. Sou um hardware ligado à ela sabe-se lá por qual cabo. Não me lembro ao certo como, mas o fato é que ao pensar em Marcella o que me ocorre instantaneamente é a imagem dos seus dedos soltos percorrendo as teclas da calculadora quase que instintivamente em busca dos valores correspondentes aos produtos de nossa lista de compras. Fruto do seu senso de organização. Eu finjindo observar distraidamente a data de validade impressa em uma grande e laranja tampa de maionese Hellmans enquanto na verdade organizava a realidade. Não sou auto-suficiente, eu admito. O que faz de ações insignificantes como amarrar o próprio tênis, ou partir o próprio bife, conquistas pra mim. Dessa forma, ela vale o símbolo de uma barra de chocolate ao leite achado sem querer na despensa em meio ao turbilhão de uma crise de hipoglicemia. Ou seja, preciso muito dela. Certamente, mais do que ela precisa de mim. Seus lábios grossos dispostos numa máscara sangüínea adorável. Suas sobrancelhas finas conferindo um certo aspecto ético a qualquer ato seu. O cabelo negro e brilhante na altura dos ombros remetendo ao vinil de All Mod Cons do The Jam. Seu colo, uma ofensa à todas as senhoras feias e católicas, desgarradas de seus maridos e a procura da oferta que fará de suas vidas algo do que se orgulhar. Minha Audrey Tautou. Com seus olhinhos puxados trazendo paz aos meus momentos de solidão irremediável. Discorrendo sobre a seção de cartas de amor da Reader’s Digest ou sobre como as curvas numa embalagem podem revolucionar o mundo.

Estávamos tão próximos. Separados por pouco mais que cinco ou seis tipos de pratos congelados. E agora meu coração está vazio. Sem aquela paixão concreta e inabalável. Algo como uma onda de calor pulsante que faz cócegas em minha garganta. Um misto de prazer e desconforto, como o sabor das pipocas Kettle Corn. Nada muito brando. E tudo o que eu mais quero é um beijo seu. Algo exótico e molhado como uma partida de badminton em Kuala Lampur. Ao seu lado sou uma estante em aço latonado procurando na gôndola freezer um pote de sorvete de nozes Hägen Daasz. Nozes. Maskell. Consistência e cremosidade.

Tento pensar em algo alegre, capaz de transformar a certeza da impossibilidade da reconquista numa questão suportável. Só o que me ocorre é uma série desconexa de músicas de Jens Lekman e a imagem muito nítida de um revólver 38 pertencente ao meu avô, com seu belo cabo em madre pérola coberto por um monte de cobertores dentro do guarda roupa.


ao som de Pocketful of Money do JENS LEKMAN

14 comentários:

Flá Absolut disse...

Olha eu aqui de novo

Que texto show!!! Viajei lendo heim!!!

PARABÉNSSSSS

Flá Absolut disse...

Fico lisonjeada com isso, muito obrigadaaaa

Posso adicionar o seu blog ( linkando ), no meu ??? Nauela tabela que tenho ao lado esquerdo ???

^^

Flá Absolut disse...

Já ta lá ^^

:)

Pedrita disse...

Um misto de prazer e desconforto!
Isso é uma frase de impacto ao meu ver!

ótimo texto!
Beijosss

ED CAVALCANTE disse...

O AMOR É UMA BRINCADEIRA, SEMPRE FOI! AS PESSOAS É QUE TENDEM A ACHAR QUE É COISA SÉRIE. VC FICA BÔBO,SEM CHÃO, FAZ COISAS QUE NORMALMENTE NÃO FARIA. ISSO É UMA GRANDE BRINCADEIRAAAAAAAAAAA!

Sacode Gy disse...

LIndo

Fabio disse...

Que texto show!!! Viajei lendo heim!!! [2]

_________________________________
www.bardosmoke.blogspot.com

Flá Absolut disse...

Passando por aqui de novo

;)

Pedrita disse...

Ola, passando pra avisar que o imaginario ja está atualizado! beijos

Igor Lessa disse...

Cara, que escrita rápida e envolvente!
Passei de curioso e acabei me agarrando nos dois últimos posts.

Igor Lessa disse...

Nossa! Por essa eu não esperava! Esses elogios todos me fizeram cometer o abuso de adicioná-lo aos meus links favoritos, só para o caso de "quem tem medo de amar" vir a ter uma, tão esperada, parte III.

E fico no aguardo.

Igor Lessa disse...

Atualize, homem!

Janaína Moraes disse...

Só para divulgar..

Em breve: Estórias Medíocres.

Um novo conceito em blog.

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.